Por que o sistema de educação da Finlândia é tão reverenciado

Por: Paulo Nogueira – Diário do Centro do Mundo – 05/04/2014

Tottijärven+koulu+Nokia+iPad-hanke+091112-600x337

Saiu há pouco tempo um levantamento sobre educação no mundo feito pela editora britânica que publica a revista Economist, a Pearson.

É um comparativo no qual foram incluídos países com dados confiáveis suficientes para que se pudesse fazer o estudo.

Você pode adivinhar em que lugar o Brasil ficou. Seria rebaixado, caso fosse um campeonato de futebol. Disputou a última colocação com o México e a Indonésia.

Surpresa? Dificilmente. Continuar lendo

Suécia revê a privatização da educação

Por: Rede Democrática – 12/12/2013 às 18:37

shcool-sweden21

Quando uma das maiores empresas privadas de educação faliu, alguns meses atrás, deixou 11 mil alunos a ver navios e fez com que o governo da Suécia repensasse a reforma neoliberal da educação, feita nos moldes da privataria com o Estado financiando a entrega dos serviços públicos aos oligopólios capitalistas e assim causando graves prejuízos para os trabalhadores e a população.

Continuar lendo

Escolas da Suécia

Por: Instituto Myrdal

Muito se fala da educação nórdica, mas o que a torna tão especial? A peculiaridade que talvez faça esse modelo educacional ser tão eficaz é o fato da escola conseguir estar presente em todos os aspectos da vida do estudante.

Muito do que tornou a educação desses países tão prestigiada se deve em parte ao esforço de Alva Myrdal e outros protagonistas na elaboração de um modelo escolar tão bem sucedido na formação dos jovens.

Acompanhe abaixo a reportagem da jornalista brasileira Claudia Walllin, erradicada na Suécia, que mostra como a educação se tornou onipresente na vida dos jovens através da escola.

Finlândia será o primeiro país do mundo a abolir a divisão do conteúdo escolar em matérias

Por: Renato Carvalho – Rescola –  23/03/2015

finlandiaseraoprimeiropaisaabolirmaterias00_01

A campainha toca, mas, em vez da aula de História, começa a aula de “Primeira Guerra Mundial”, planejada em conjunto pelos professores especialistas em História, Geografia, Línguas Estrangeiras e (por que não?) pelo professor de Física que achou que seria uma boa oportunidade para trabalhar os conceitos de Balística. À tarde, outro sinal, mas os alunos não vão ter aula de Biologia. Hoje a aula é sobre “Ecossistema Polar Ártico”, ministrada pelos professores especializados em Biologia, Química, Geografia e o de Matemática, que percebeu que os dados sobre o derretimento das geleiras seriam úteis para o estudo de Estatística.

Continuar lendo