Teoria da Causação Circular de Myrdal

Por: Nilton Marques Oliveira e Udo Strassburg

Myrdal (1968) usa esse conceito para falar de um ciclo virtuoso ou vicioso, que
tanto pode ocorrer de forma ascendente quanto descendente, ou seja, uma sequência de fatos que desencadeia outros fatos de forma cumulativa e propulsora. Ele utiliza esse
conceito tanto no campo econômico, quanto no campo social.

No primeiro campo, com relação às expectativas de preços para cima e para
baixo, um polo de desenvolvimento econômico pode se expandir cumulativamente em
detrimento de outros.

O segundo campo trata da questão dos negros nos Estados Unidos, associando
variáveis econômicas e não-econômicas, num contexto vicioso em que o negro, se
tiver baixo nível de desempenho, terá baixos salários, muitos não terão emprego, níveis
de educação e saúde precários, acentuando a discriminação e a pobreza (MYRDAL,
1944). Continuar lendo

Anúncios

O Pensamento de Gunnar Myrdal Sobre o Bem-Estar Social

Por: Nilton Marques Oliveira e Udo Strassburg

Gunnar Myrdal nasceu na Suécia, com formação em Direito e doutorado em
Economia em 1927, pela Universidade de Estocolmo, onde assumiu a cadeira de
economia política da mesma Universidade em 1933. No início de sua carreira, Myrdal
dedicou-se a questões teóricas no campo da economia e somente mais tarde se envolveu
diretamente com problemas sociais, principalmente relacionados aos países
subdesenvolvidos.

gunnar-myrdal Continuar lendo

Alva e Gunnar Myrdal

Por: Socialdemokratiske Tænkere – Tradução: Vitor Luís Nunes de Almeida12-Myrdal-signeret

Alva e Gunnar Myrdal podem razoavelmente ser considerados os mais proeminentes chamados “engenheiros sociais” da Suécia entre guerras. Foram suas ideias que formaram a base de grande parte da política social e econômica que caracterizaram a Suécia de 1932 e das décadas seguintes. É óbvio considerá-los juntos, como um casal ideológico além de casados.

A base política de ambos era criar uma sociedade sem infortúnios desnecessários, onde a razão racional governasse e como o capitalismo frequentemente enfrentava a irracionalidade, a ganância e o interesse próprio, o planejamento e a socialização tornaram-se elementos importantes em seu pensamento político. Continuar lendo

O que torna a Escandinávia diferente?

Por:  Rune Møller Stahl e Andreas Møller Mulvad – Jacobin Magazine – 08/04/2015 – Tradução de Gabriel Landi Fazzio

O que explica o forte estado de bem-estar social dos países nórdicos? Dica: não é sua homogeneidade branca.

ptn

Comício de massas em Oslo antes das eleições gerais de 1936. Partido Trabalhista Norueguês / Flickr

Há uma razão pela qual os estados de bem-estar social escandinavos seguem sendo motivo de inveja de muitos ao redor do mundo. Mesmo após décadas de tentativas de reformá-los pelo projeto neoliberal, a Escandinávia exibe uma divisão igualitária de rendimentos relativamente elevados, grandes programas de bem-estar social financiados por impostos, sindicados poderosos e taxas de desempregos relativamente baixas. Continuar lendo

Olof Palme e a trajetória do estado de bem-estar na Suécia

Por: Kjell Östberg – Jacobin Magazine – 9/10/2015 – Tradução de Gabriel Landi Fazzio

interview-palme

David Frost entrevista Olof Palme em 1969

“A carreira de Olof Palme ilustra o grande sucesso do modelo sueco – e sua fraqueza paralisante.”

Fevereiro marcará trinta anos desde que o Primeiro Ministro sueco Olof Palme foi morto a tiros no centro do Estocolmo. A identidade de seu assassino segue desconhecida.

A Suécia durante o tempo de Palme é muitas vezes vista como o maior exemplo da socialdemocracia: altos padrões de vida e uma relativamente baixa desigualdade de remuneração; baixo desemprego e um avançado sistema de bem-estar social financiado em imposto progressivos e pensões, auxílios-doença, licença maternidade e paternidade remuneradas e creches universalizadas das quais se gabar. Continuar lendo

Finlândia faz maior greve geral das últimas duas décadas

Por: Esquerda.Net – 19/09/2015 às 12:18h

Paralisação foi convocada pelas três grandes centrais sindicais do país, que representam 80% da população ativa, contra um pacote de medidas de austeridade decretadas pelo governo após o fracasso das negociações com os sindicatos.

Manifestação paralisou Helsínquia

Manifestação paralisou Helsínquia

Dezenas de milhares de finlandeses manifestaram-se nesta sexta-feira no centro de Helsínquia, paralisando a capital finlandesa, contra um pacote de medidas de austeridade anunciado pelo governo de centro-direita. Continuar lendo

Estado vs. Mercados: uma falsa dicotomia

Por: Mariana Mazzucato e Caetano C.R. Penna – Brasil Debate – Revista Política Social e Desenvolvimento

Os países mais bem-sucedidos têm um ecossistema simbiótico de inovação e de produção, em que agentes públicos e privados se beneficiam e lucram de ações e interações mútuas. Nestes casos, a iniciativa privada não “captura” o Estado, nem o Estado se torna uma ferramenta para favores políticos

Estado-vs-mercado

O debate sobre os papéis relativos do Estado e do mercado em economias capitalistas tende a oscilar ao longo do tempo nas mentes e nos corações da opinião pública e dos decisores de políticas públicas: os períodos em que o Estado é defendido por seu papel no desenvolvimento econômico são sempre substituídos por um ataque à sua intervenção no “bom funcionamento” de mercados.

Foi assim ao longo do século 20 (ver REINERT, 2009, para uma análise de como as oscilações deste pêndulo estão ligadas a mudanças na agenda de investigação predominante da economia). E é isso o que aconteceu desde a mais recente crise financeira global e da recessão econômica: um breve período logo após a sua erupção, quando era quase um consenso que o Estado tinha um papel fundamental a desempenhar na promoção do desenvolvimento e do crescimento por meio da política industrial, foi rapidamente apreendido por aqueles que diziam o contrário. A austeridade tornou-se o prato do dia, enquanto as políticas industriais ativas transformaram-se no modismo da última estação. Continuar lendo

“Se alguém não paga os impostos, é um insulto para todos”

Por:  (texto) e (fotografia) Público – 23/08/2015 – de Portugal

Karina Kim Elgaard, investigadora de direito fiscal na Universidade de Copenhaga, diz que sociedade dinamarquesa é pouco tolerante para com quem tenta contornar as regras.

967613

O que é que faz com que a Dinamarca seja vista como um país de “contribuintes felizes”?

Karina Kim Elgaard: Muitos contribuintes não verificam as declarações fiscais porque confiam na administração tributária e na informação automática. Embora sendo um sistema complexo, é compreendido pelos contribuintes. É um círculo virtuoso. É um sistema fiscal onde é fácil as pessoas perceberem para onde vai o dinheiro dos impostos. As pessoas pensam: “Pagamos taxas muito altas e muitos impostos, mas, directa ou indirectamente, temos todos estes benefícios: hospitais grátis, apoios sociais, boas escolas”. O sistema social funciona bem. É claro que encontramos pessoas que consideram que há quem “abuse” do Estado social, mas são situações muito pontuais. Continuar lendo

Suécia revê a privatização da educação

Por: Rede Democrática – 12/12/2013 às 18:37

shcool-sweden21

Quando uma das maiores empresas privadas de educação faliu, alguns meses atrás, deixou 11 mil alunos a ver navios e fez com que o governo da Suécia repensasse a reforma neoliberal da educação, feita nos moldes da privataria com o Estado financiando a entrega dos serviços públicos aos oligopólios capitalistas e assim causando graves prejuízos para os trabalhadores e a população.

Continuar lendo

Objetivo da atividade econômica e a distorção capitalista

Por: Victor MouraInstituto Myrdal

Em uma entrevista recente, a economista Maria da Conceição Tavares comentou assertivamente: “ninguém come PIB”. Seu comentário, embora simples, pode ser visto como uma pontual denúncia à distorção do objetivo central da economia.

Em uma bela construção imaginativa poderíamos dizer que a economia deveria servir a subsistência do homem, e não a necessidade de mercado. Poderíamos criar um mundo onde a produção fosse feita para atender a necessidade social humana, e não ao acúmulo de alguns. Parece utópico? Pois não deveria. Em sua definição inicial, desde Aristóteles, a economia esteve enraizada a uma básica noção de “gerir e administrar a casa”. É um fato que tivemos em diferentes sociedades e períodos históricos uma produção guiada para servir à necessidade social da subsistência do homem (como fizeram os incas, astecas, chineses, maias, romanos e no medievo). E somente em períodos mais recentes vimos a definição de economia passar por uma transformação ao ser usada para servir aos “ideais de mercado”. Com isso se construiu uma máscara para um discurso de “fins e meios” onde sacrifícios humanos são feitos em prol de uma utopia econômica que serve a si mesma. Continuar lendo